Banner 1 728x90

Mulheres fazem ato no Centro de Rio Branco contra PL do Aborto

.

Por G1 em 14/06/2024 às 23:50:44
Protesto reuniu Adufac, lideranças católicas, profissionais de saúde e representantes de movimentos populares. Mulheres protestam contra PL do Aborto no Acre

Luana Rodrigues/Rede Amazônica Acre

Preocupadas com a possibilidade de aprovação do projeto de lei (PL) que equipara o aborto após a 22¬™ semana de gestação ao crime de homicídio simples, grupos de mulheres fizeram um protesto no Centro de Rio Branco. O ato aconteceu no final da tarde desta sexta-feira (14) na Avenida Getúlio Vargas.

Leia mais:

Suspeito de abusar, engravidar e obrigar menina de 13 anos a abortar é preso no interior do Acre

Câmara aprova urgência de votação de projeto que equipara aborto após 22 semanas de gravidez ao crime de homicídio

Mulher estuprada que realizar aborto pode ter pena maior que estuprador, prevê projeto

Dois são presos suspeitos de estuprar adolescente de 14 anos em matagal no Acre

Acre registra 49 casos de estupro nos seis primeiros meses de 2023, aponta Segurança

Pastor é preso suspeito de abusar da enteada de 10 anos e outras três crianças no Acre

O PL foi apresentado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), que é integrante da bancada evangélica, e prevê que penas que podem variar de 6 a 20 anos de prisão em casos de aborto. A pena é maior que a aplicada em casos de estupro, que fica entre seis e 10 anos de reclusão.

Marte Porto

Luana Rodrigues/Rede Amazônica Acre

"Esse tipo de ação faz com que as mulheres tenham uma menor possibilidade de acessar seus direitos. Seus direitos sexuais, seus direitos reprodutivos, seus direitos humanos. É um projeto de lei que tenta responsabilizar, punir a vítima do estupro", ressaltou a professora universitária Marte Porto.

A docente ressaltou ainda que a proposta tem potencial para revitimizar não apenas pessoas com útero adultas, mas principalmente crianças em adolescentes.

"A gente tem que pensar que a maioria das mulheres estupradas são meninas até 14 anos ou menos e elas nem sabem muitas vezes que estão grávidas, nem sabem que o que aconteceu com elas é uma ação que leva a gestação e quando elas vão descobrir é porque alguém descobre e aí se passou muito tempo", argumentou.

Mulheres protestam contra PL do Aborto no Acre

Luana Rodrigues/Rede Amazônica Acre

O ato foi organizado pelo comando de greve da Associação dos Docentes da Ufac (Adufac) e reuniu membros de diversos movimentos populares, incluindo profissionais de saúde e lideranças católicas. Homens que simpatizam com a causa também participaram.

"A gente precisa discutir a partir da saúde pública e dos estudos e isso não confronta religião. Cada um com a sua religião vai poder fazer suas escolhas. O problema é pegar a convicção religiosa de um grupo e determinar para toda a população em um país laico", finalizou.

Mulheres protestam contra PL do Aborto no Acre

Luana Rodrigues/Rede Amazônica Acre

Entenda o projeto

O texto altera o Código Penal e estabelece a aplicação de pena de homicídio simples nos casos de aborto de fetos com mais de 22 semanas nas situações em que a gestante:

provoque o aborto em si mesma ou consente que outra pessoa lhe provoque; pena passa de prisão de 1 a 3 anos para 6 a 20 anos;

tenha o aborto provocado por terceiro com ou sem o seu consentimento; pena para quem realizar o procedimento com o consentimento da gestante passa de 1 a 4 anos para 6 a 20 anos, mesma pena para quem realizar o aborto sem consentimentos, hoje fixada de 3 a 10 anos.

A proposta também altera o artigo que estabelece casos em que o aborto é legal, para restringir a prática em casos de gestação resultantes de estupro.

Conforme o texto, só poderão realizar o procedimento mulheres com gestação até a 22¬™ semana. Após esse período, mesmo em caso de estupro, a prática será criminalizada.

A proposta é assinada por 32 deputados, incluindo o segundo vice-presidente da Casa, Sóstenes Cavalcante, e o presidente da bancada evangélica, Eli Borges (PL-TO).

Maioria nas redes sociais é contra projeto que compara aborto a homicídio

Atualmente, quando o aborto é permitido?

O aborto é crime no Brasil, mas existem três situações em que ele é permitido. São os casos de aborto legal:

se o feto for anencéfalo;

se a gravidez for fruto de estupro;

se a gravidez impuser risco de vida para a mãe.

Para os casos de gravidez de risco e anencefalia, é necessário apresentar um laudo médico que comprove a situação. Além disso, um exame de ultrassonografia com diagnóstico da anencefalia também pode ser pedido.

Já para os casos de gravidez decorrente de violência sexual - e estupro engloba qualquer situação em que um ato sexual não foi consentido, mesmo que não ocorra agressão -, a mulher não precisa apresentar Boletim de Ocorrência ou algum exame que ateste o crime. Basta o relato da vítima à equipe médica.

Apesar de parecer simples, não é. Mesmo que não seja necessário "comprovar" a violência sexual, muitas mulheres (e meninas) sofrem discriminação nos serviços de saúde na hora de buscar o aborto legal.

Após repercussão negativa, governo dispara críticas contra projeto sobre aborto

Vídeos g1:
Comunicar erro

Coment√°rios